Meu Carrinho

Fechar

Principais tipos de vinhos


Você já sabe que existe uma grande diversidade de vinhos no mundo, mas você conhece os principais tipos, as suas características e como identificá-los? Tintos, brancos, rosés, espumantes e fortificados são os principais tipos de vinhos, definidos, essencialmente, por seus métodos de elaboração. Descubra mais sobre cada um.   

Vinhos tintos

O vinho tinto, o preferido dos enófilos mundo afora, apresenta a tonalidade em tons de vermelho a violeta, devido ao fato das uvas serem fermentadas juntamente com as suas cascas. A variação de cor depende do tempo que a fruta fica em contato com a casca e também da evolução da bebida. Ele pode ser seco, meio seco ou suave, de acordo com a concentração de açúcar. 

Os tintos possuem taninos, compostos químicos advindos das cascas das uvas, que trazem a sensação de adstringência ao paladar, a perda momentânea da salivação. Os taninos variam de leves até bem marcantes e conferem estrutura e longevidade ao vinho. 

Vinhos brancos

O vinho branco é elaborado a partir do processo de fermentação sem ou com pouquíssima presença das cascas das uvas. Por isso, a sua tonalidade vai do amarelo-palha até o dourado. Ele pode ser seco, meio seco ou suave. 

Os brancos não possuem taninos perceptíveis ao paladar, tendo a maior presença da acidez, que estimula a salivação. Logo, grande parte desse tipo de vinho se apresenta mais leve e refrescante, embora os estilos possam variar, dependendo da região em que são elaborados.   

Vinhos rosés

O vinho rosé passa pelo processo de fermentação com a presença das cascas das uvas por algumas horas, menos tempo que os tintos e mais que os brancos. Assim, ele adquire a cor rosada. Os tons variam de acordo com o tempo em que o líquido fica em contato com as cascas, indo do rosa claro até o cereja. Ele pode ser seco, meio seco ou suave. 

Assim como os brancos, os rosés apresentam acidez perceptível, causando salivação. Geralmente, são frescos e leves, também variando de acordo com a região em que são produzidos, e têm pouca concentração de taninos.

Espumantes

Espumante é o vinho que possui a presença de gás carbônico, as famosas borbulhas, chamadas tecnicamente de perlage. Eles passam por duas fermentações, para manterem o gás carbônico, sendo a segunda variável, de acordo com o método escolhido para a elaboração. 

Os espumantes podem ser brancos, rosés e tintos e também poder ser secos, meio secos ou suaves. Eles são sinônimos de celebração e muito versáteis para harmonizar, pois combinam com praticamente tudo. Normalmente possuem acidez notória, cremosidade e frescor. 

Frisantes

O frisante também possui gás carbônico, mas em menor quantidade do que o espumante. Ele passa por apenas uma fermentação. Geralmente, são mais leves, fáceis de beber e de agradar aos mais diversos paladares que os espumantes, sendo preferência de quem está começando a se aventurar no mundo do vinho. 

Os frisantes podem ser secos, meio secos e suaves, do mesmo jeito que os demais vinhos tranquilos (sem gás carbônico) e espumantes. Também costumam ser festivos e simples de combinar com comidas. 

Licorosos ou Fortificados

Os vinhos licorosos, também chamados de fortificados, são aqueles que têm acréscimo de álcool vínico, atingindo de 14% a 18% de teor alcoólico em volume, segundo a legislação brasileira.   

Eles são popularmente chamados de "vinhos de sobremesa", embora esse termo não exista na legislação. Vinhos do Porto, Vinhos Madeira, Jerez, Marsala e Late Harvest entram na classificação de licorosos ou fortificados.